Categories: Notícias

Número de mortos na Alemanha chega a 100 após as piores enchentes em décadas

O número de mortos nas enchentes que devastaram partes do oeste da Alemanha aumentou para pelo menos 103, com dezenas de pessoas desaparecidas depois que casas desabaram e estradas e pontes foram seriamente danificadas.

Muitas ferrovias e ruas permaneceram bloqueadas e dezenas de milhares ficaram sem eletricidade na sexta-feira, enquanto os resgatadores labutavam nas áreas mais atingidas nos estados da Renânia do Norte-Vestfália – administrada pelo candidato conservador ao chanceler Armin Laschet – e Renânia-Palatinado.

Embora a Alemanha tenha sido a mais atingida, fortes chuvas na quarta-feira à noite e na quinta-feira também inundaram partes de Luxemburgo, Holanda e Bélgica. A TV RTBF relatou pelo menos 15 mortes na Bélgica, onde as redes ferroviária e rodoviária foram seriamente interrompidas no sudeste do país.

“Esta é realmente uma catástrofe e o sofrimento está aumentando o tempo todo”, disse Malu Dreyer, a premier da Renânia-Palatinado, alertando que o desastre era mais uma evidência do impacto do aquecimento global.

“Temos mais de 50 mortes para lamentar e ainda pessoas desaparecidas”, disse Dreyer em entrevista à televisão ZDF, acrescentando que só os helicópteros da polícia resgataram mais de 300 presos na quinta-feira. “A dor é aguda em nossa região e nós nunca vi nada assim. ”

A chanceler Angela Merkel interrompeu sua viagem aos Estados Unidos na quinta-feira para fazer uma declaração na qual prometia assistência rápida do governo federal apoiada por “todo o poder do estado”. O ministro da Defesa, Annegret Kramp-Karrenbauer, disse que todas as forças armadas alemãs não envolvidas em missões no exterior estão concentrando seus recursos no esforço de recuperação.

Embora muitas empresas familiares menores na área tenham sido duramente atingidas, os efeitos nas principais áreas industriais da Alemanha foram limitados até agora.

Um residente limpa o pavimento após fortes chuvas e inundações em Ahrweiler-Bad Neenah, Alemanha, na quinta-feira. | AFP-JIJI

A BASF SE, maior produtora de produtos químicos do mundo, sofreu alguns atrasos no recebimento de mercadorias por meio de barcaças e trens, mas isso ainda não levou a interrupções na produção, disse a empresa.

A RWE AG foi forçada a interromper as operações na mina de lignito a céu aberto Tagebau Inden depois que a água do rio Inde penetrou nas instalações e um trabalhador está faltando.

As inundações estão entre as mais severas no oeste da Alemanha em décadas. Os moradores escalaram telhados e árvores depois que as casas foram inundadas ou desabaram. Milhares de casas ficaram sem energia e sem conexões telefônicas por horas.

As condições meteorológicas devem se normalizar na próxima semana, o que pode fornecer algum alívio, disse o meteorologista Deutscher Wetterdienst na sexta-feira em sua última previsão de quatro semanas. Mas pode haver mais chuvas fortes na Alemanha de 26 de julho até o início de agosto, disse.

Hannah Cloke, professora de hidrologia da Universidade de Reading, disse que os níveis dos rios estão altos para esta época do ano e devem aumentar ainda mais nos próximos dias.

“Este tipo de alta energia, torrentes repentinas de chuva de verão são exatamente o que esperamos em nosso clima de aquecimento rápido”, disse Cloke.

“O fato de outras partes do hemisfério norte estarem atualmente sofrendo com ondas de calor e incêndios que quebram recordes deve servir como um lembrete de quão mais perigoso nosso clima pode se tornar em um mundo cada vez mais quente.”

A Munich Re espera que os danos de tempestades e outras catástrofes naturais na Alemanha continuem a aumentar, disse o climatologista-chefe da resseguradora, Ernst Rauch, à revista Der Spiegel na sexta-feira.

A associação de seguradoras GDV disse que a prevalência de tempestades, inundações, chuvas fortes e granizo na Alemanha este ano pode torná-la uma das mais prejudiciais desde 2013.

O primeiro-ministro de Luxemburgo, Xavier Bettel, declarou na quinta-feira um desastre natural, dizendo que seu país não via níveis de água tão altos há 100 anos.

Carros e escombros em Bad Neuenahr-Ahrweiler, oeste da Alemanha | AFP-JIJI

Embora Luxemburgo até agora não tenha contado feridos ou mortos, as enchentes tiveram “consequências dramáticas”, com pelo menos 400 pessoas tendo que ser realocadas, disse ele.

Na Bélgica, as águas ainda estão subindo à medida que o rio Meuse flui para Flandres e Holanda, com a emissora flamenga VRT dizendo que o rio agora tem quase uma milha de largura em lugares onde normalmente se estende por apenas 50 metros.

A província de Limburg, no sul, foi mais atingida na Holanda, pois milhares de pessoas que moravam lá foram forçadas a deixar suas casas e negócios fechados.

O primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, declarou a região atingida pela enchente uma área de desastre, o que significa que as empresas e as pessoas que vivem na área podem receber compensação pelos danos.

“A ciência nos diz que com as mudanças climáticas vemos cada vez mais fenômenos climáticos extremos que duram mais”, disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, em uma coletiva de imprensa em Dublin na sexta-feira, quando questionada sobre as enchentes.

“É a intensidade e a duração desses eventos onde a ciência nos diz que isso é uma indicação clara das mudanças climáticas e que isso é algo onde realmente mostra a urgência de agir.”

Em uma época de desinformação e muita informação, jornalismo de qualidade é mais crucial do que nunca.
Ao se inscrever, você pode nos ajudar a contar a história direito.

INSCREVA-SE AGORA

GALERIA DE FOTOS (CLIQUE PARA AMPLIAR)

.

Artigos recentes

Veredicto do mais alto tribunal da Coreia do Sul sobre trabalho de guerra para moldar laços Seul-Tóquio

Espera-se que a Suprema Corte sul-coreana decida em breve se deve ou não manter um…

10 minutos ago

3.500 seguidores da Igreja da Unificação protestam em Seul contra relatos da mídia japonesa

SEUL – Cerca de 3.500 membros da Igreja da Unificação se reuniram em Seul na…

16 minutos ago

Distrito de Tóquio descobre que 1 em cada 3 reclusos não quer ajuda do governo para se reintegrar

Uma pesquisa recente realizada no distrito de Edogawa, em Tóquio, mostrou que até um terço…

1 hora ago

Ex-executivo das Olimpíadas de Tóquio recebeu pedido por escrito de Aoki

Haruyuki Takahashi, ex-executivo do comitê organizador das Olimpíadas de Tóquio, recebeu um pedido por escrito…

1 hora ago

Inflação do Japão acelera ainda mais além da meta de 2% do BOJ

A inflação do Japão acelerou ainda mais além da meta de 2% do banco central…

4 horas ago

Artigos de companhias aéreas e ferroviárias reciclados para proporcionar a alegria de viajar

As companhias aéreas e operadoras ferroviárias japonesas estão lançando mercadorias feitas pela reciclagem de peças…

4 horas ago

Este site usa cookies.