Categories: Notícias

Japão refuta pedido da UNESCO sobre mão de obra coreana em locais do Patrimônio Mundial

O Japão planeja refutar as recomendações da UNESCO de que o país deve fornecer uma explicação melhor sobre as vítimas coreanas do trabalho durante a guerra em seu centro de informações em Tóquio em locais industriais listados como patrimônios culturais da humanidade, disseram fontes governamentais no sábado.

Na sessão do Comitê do Patrimônio Mundial da UNESCO, realizada de sexta a 31 de julho, o Japão planeja explicar que sua exposição no Centro de Informação do Patrimônio Industrial sobre pessoas da Coréia que trabalharam na Mina de Carvão Hashima, perto de Nagasaki – um dos 23 locais registrados – é baseada em fatos históricos e apropriados, disseram as fontes.

Como o Japão não é membro do comitê de 21 nações deste mandato, ele não pode se envolver em discussões ou adoção de documentos. Mas Kenko Sone, diretor-geral para assuntos culturais do Ministério das Relações Exteriores, planeja participar da sessão online como observador e espera ser solicitado a falar sobre o assunto, disseram as fontes.

Uma rixa sobre trabalho e compensação em tempo de guerra fez com que as relações Japão-Coréia do Sul caíssem ao ponto mais baixo em décadas, mesmo com os dois vizinhos asiáticos precisando cooperar para lidar com questões como as ameaças nucleares e de mísseis da Coréia do Norte.

A Coreia do Sul criticou as exposições no centro de informações por não explicarem sobre as vítimas coreanas de trabalho forçado durante o domínio colonial da Península Coreana no Japão entre 1910 e 1945.

Embora a exposição no site inclua descrições da mão de obra coreana, ela incorpora depoimentos de residentes japoneses coreanos de segunda geração, alegando que não houve tratamento discriminatório aos trabalhadores coreanos ali.

Um grupo cívico sul-coreano disse na sexta-feira que apóia fortemente as recomendações, alegando que as exposições nas instalações carecem de explicações sobre as vítimas.

As recomendações da UNESCO, divulgadas segunda-feira, após a inspeção do centro inaugurado no ano passado, podem ser adotadas na próxima quinta-feira durante a sessão.

Quando o “Sítio da Revolução Industrial Meiji do Japão” foi adicionado à lista do Patrimônio Cultural Mundial em 2015, o Japão prometeu tomar medidas que permitissem um entendimento de que havia um grande número de coreanos e outros que foram “trazidos contra sua vontade e forçados a trabalhar sob duras condições “na década de 1940 em alguns dos locais, e que, durante a Segunda Guerra Mundial, o governo também implementou sua política de requisição.

Na sessão do comitê, o Japão planeja dizer que está cumprindo “sinceramente” com essa promessa, disseram as fontes.

A UNESCO disse em seu relatório de avaliação do centro que “as medidas para permitir um entendimento daqueles que são trazidos contra sua vontade e forçados a trabalhar são atualmente insuficientes”.

O órgão reconheceu que o centro contém uma variedade de materiais de pesquisa relativos à vida dos trabalhadores, incluindo depoimentos orais, mas disse que “não há nenhuma exibição que possa ser caracterizada como servindo adequadamente ao propósito de lembrar as vítimas”.

A Coreia do Sul inicialmente se opôs à adição da Mina de Carvão Hashima, também conhecida como “Ilha do Navio de Guerra”, e outros locais à lista do Patrimônio Cultural Mundial em “Sítios da Revolução Industrial Meiji do Japão”, dizendo que os coreanos foram forçados a trabalhar em alguns dos locais.

Mas abandonou sua oposição com a condição de que o Japão reconhecesse publicamente que os coreanos foram coagidos a trabalhar nesses locais.

No entanto, Tóquio e Seul têm divergências sobre a definição de trabalho forçado.

Em uma época de desinformação e muita informação, jornalismo de qualidade é mais crucial do que nunca.
Ao se inscrever, você pode nos ajudar a contar a história da maneira certa.

INSCREVA-SE AGORA

GALERIA DE FOTOS (CLIQUE PARA AMPLIAR)

.

Artigos recentes

Samurai Blue é recebido como herói no retorno da Copa do Mundo no Catar

Narita, Chiba Pref. – A seleção nacional de futebol do Japão voltou para casa na…

5 horas ago

Governo alerta agricultores sobre aumento acentuado de casos de gripe aviária

Os casos de gripe aviária no Japão estão aumentando em um ritmo mais rápido do…

6 horas ago

Alemanha prende 25 suspeitos de conspiração de extrema-direita para derrubar Estado

Berlim – Autoridades alemãs detiveram na quarta-feira 25 membros e simpatizantes de um grupo de…

7 horas ago

Vice-chefe da Assembleia em Tokushima é preso por vazamento de informações policiais

Osaka – A polícia prendeu o vice-presidente de uma assembléia municipal na província de Tokushima…

7 horas ago

Rastreador COVID-19: Tóquio registra 14.946 novos casos de coronavírus

Tóquio confirmou 14.946 novos casos de COVID-19 na quarta-feira, um aumento de 547 em relação…

8 horas ago

Giants apostam em oferta de US$ 360 milhões por Aaron Judge

O San Francisco Giants fez uma enorme oferta de US$ 360 milhões a Aaron Judge,…

8 horas ago

Este site usa cookies.