Categories: Notícias

Bolha de infecção COVID-19 da Vila Olímpica já “quebrada”, diz especialista em saúde

A chamada bolha para controlar infecções por COVID-19 na Vila Olímpica do Atleta em Tóquio já está “quebrada” e representa um risco de espalhar infecções para a população em geral, disse um proeminente especialista em saúde pública na terça-feira.

Na terça-feira, os organizadores das Olimpíadas disseram que um atleta estrangeiro na vila e outras oito pessoas relacionadas aos Jogos tinham recentemente testado positivo para o coronavírus.

A revelação ocorre depois que autoridades relataram o primeiro caso COVID-19 entre competidores na vila de Tóquio no domingo, e as infecções de um jogador de vôlei de praia tcheco na vila e uma ginasta americana em um campo de treinamento perto de Tóquio na segunda-feira.

Os organizadores também disseram que um total de 21 membros do time de futebol masculino sul-africano foram identificados como contatos próximos de três outros membros com teste positivo na vila dos atletas.

“É óbvio que o sistema de bolhas está meio quebrado”, disse Kenji Shibuya, o ex-diretor do Instituto de Saúde da População do King’s College London.

“Minha maior preocupação é, claro, haverá um conjunto de infecções na aldeia ou algumas das acomodações e interação com a população local”, disse ele. Espera-se que cerca de 11.000 atletas permaneçam na aldeia.

O pessoal de segurança monta guarda na entrada da vila dos atletas, onde um número crescente de atletas e funcionários testaram positivo para COVID-19. | REUTERS

Testes insuficientes na fronteira e a impossibilidade de controlar os movimentos das pessoas significam que os Jogos podem agravar a propagação da variante delta infecciosa do vírus, acrescentou.

De acordo com o manual olímpico, que estabelece as regras de segurança do coronavírus, os contatos próximos só podem competir depois de retornarem testes PCR diários negativos, passarem por exames de saúde por especialistas e obterem aprovação da federação internacional do esporte.

Os organizadores e o governo japonês insistiram que é possível realizar as Olimpíadas com segurança, apesar da pandemia de COVID-19, por meio da implementação de medidas antivírus estritas.

Brian McCloskey, um especialista em saúde que assessora o Comitê Olímpico Internacional, disse em uma entrevista coletiva na segunda-feira que a vila dos atletas era segura porque as pessoas que ficam lá estão sendo testadas para o vírus regularmente.

Ele também disse que os 58 casos de COVID-19 confirmados entre pessoas relacionadas às Olimpíadas em julho, divulgados pelo comitê organizador na segunda-feira, eram algo que ele esperava e talvez abaixo do projetado.

Ele disse acreditar que os jogos não contribuirão para a disseminação do vírus no Japão, mas acrescentou que é impossível prever qual será a situação da infecção após o encerramento dos Jogos, em 8 de agosto.

Atletas olímpicos e equipe aguardam para serem testados para COVID-19 no aeroporto de Narita na chegada no domingo. | KYODO

O presidente do Comitê Olímpico Internacional, Thomas Bach, disse na semana passada que os protocolos de teste e quarentena deixariam o risco “zero” de os participantes dos Jogos infectarem residentes no Japão.

Declarações como essa só servem para confundir e irritar as pessoas, disse Shibuya, já que as condições reais são “totalmente opostas”.

Em abril, Shibuya foi coautor de um comentário no British Medical Journal de que as Olimpíadas devem ser “reconsideradas” devido à incapacidade do Japão de conter casos de coronavírus.

Os novos casos de COVID-19 em Tóquio chegaram a 1.410 no sábado, um máximo de quase seis meses, enquanto os Jogos devem começar em apenas três dias.

Especialistas em saúde pública alertaram que fatores sazonais, o aumento da mobilidade e a disseminação da variante Delta podem levar a um aumento de mais de 2.000 casos por dia em Tóquio no próximo mês, níveis que podem levar o sistema médico da cidade ao ponto de ruptura.

Apenas 33% das pessoas no Japão receberam pelo menos uma dose da vacina COVID-19, uma das taxas mais baixas entre os países ricos, de acordo com um rastreador da Reuters. O impulso da vacinação ganhou força desde o mês passado, mas recentemente diminuiu devido a problemas de abastecimento e logísticos.

Em uma época de desinformação e muita informação, jornalismo de qualidade é mais crucial do que nunca.
Ao se inscrever, você pode nos ajudar a contar a história da maneira certa.

INSCREVA-SE AGORA

GALERIA DE FOTOS (CLIQUE PARA AMPLIAR)

.

Artigos recentes

Tóquio reconhece direito de negociação coletiva dos trabalhadores do Uber Eats

As autoridades trabalhistas de Tóquio reconheceram a equipe de entrega do Uber Eats no Japão…

15 horas ago

JIP lança oferta pública da Toshiba até final de março

O fundo de investimento Japan Industrial Partners Inc. está considerando lançar uma oferta pública de…

15 horas ago

Grandes concessionárias do Japão enfrentarão quantidade recorde de multas antitruste

O órgão fiscalizador do comércio do Japão provavelmente imporá uma quantidade recorde de multas a…

16 horas ago

Filial do LDP liderada pelo ministro da reconstrução Kenya Akiba pagou taxas à Igreja da Unificação

Um ramo do Partido Liberal Democrático liderado pelo ministro da reconstrução, Kenya Akiba, pagou 24.000…

16 horas ago

Xi diz a Kim que China está disposta a trabalhar com a Coreia do Norte pela ‘paz mundial’

Seul – O presidente chinês, Xi Jinping, disse ao líder norte-coreano, Kim Jong Un, que…

16 horas ago

Incêndio mortal em Xinjiang desperta raiva na política ‘COVID-zero’ da China

Pequim – Um incêndio mortal na região de Xinjiang, no noroeste da China, provocou uma…

16 horas ago

Este site usa cookies.