Categories: Notícias

O velocista olímpico bielorrusso recebe visto humanitário da Polônia

A velocista bielorrussa Krystsina Tsimanouskaya na segunda-feira pediu asilo na Polônia, tendo evitado por pouco ser forçada a embarcar em um avião de volta para seu país natal no domingo, depois de publicar críticas a seus treinadores nas redes sociais.

A Polônia foi o primeiro país a reagir e oferecer seu apoio após a notícia do incidente. Anteriormente, ela foi vista entrando na Embaixada da Polônia em Tóquio.

Com todos os olhos voltados para os Jogos de Tóquio, o episódio renovou a atenção sobre a situação dos direitos humanos na Bielo-Rússia, com preocupações crescentes com as tentativas de silenciar os críticos do regime no exterior, que enfrentam acusações legais assim que retornam ao seu solo natal.

Embora os comentários de Tsimanouskaya tenham sido dirigidos aos seus treinadores, eles foram interpretados como uma crítica ao governo bielorrusso, por ela representar oficialmente o país nos Jogos Olímpicos.

Desde domingo, o governo japonês e os organizadores das Olimpíadas têm coordenado com enviados europeus sobre seu asilo na Europa.

“O governo japonês tomará medidas apropriadas em cooperação com as organizações relevantes” para garantir sua segurança, disse o secretário-chefe de gabinete, Katsunobu Kato, em entrevista coletiva na segunda-feira.

A velocista bielorrussa Krystsina Tsimanouskaya é escoltada por policiais no aeroporto de Haneda, em Tóquio, no domingo. | REUTERS

Na segunda-feira, o Comitê Olímpico Internacional confirmou que ela estava “segura e protegida” e havia passado a noite em um hotel de aeroporto depois de buscar proteção da polícia no aeroporto de Haneda na noite de domingo.

O COI disse em um comunicado que estava examinando a situação e pediu esclarecimentos ao Comitê Olímpico da Bielorrússia (COB) sobre a situação.

O escândalo ocorre em meio à intensificação da repressão do governo bielorrusso às forças da oposição, que vem aumentando desde a eleição presidencial do ano passado, em agosto – uma pesquisa que foi supostamente fraudada. O presidente Alexander Lukashenko está no poder desde 1994, quando o cargo foi estabelecido.

Tsimanouskaya deveria competir no evento feminino de 200 metros na segunda-feira. Mas depois que ela criticou seus treinadores nas redes sociais por forçá-la a competir em um revezamento de 400 metros, para o qual ela não havia treinado, eles disseram a ela no domingo para fazer as malas e levá-la ao aeroporto.

Embora ela devesse pegar um vôo com destino à Bielo-Rússia no domingo, o velocista se recusou a embarcar e pediu ajuda à polícia.

Ela disse à Reuters em uma mensagem pelo Telegram: “Não vou voltar para a Bielo-Rússia”.

A atleta bielorrussa Krystsina Tsimanouskaya é escoltada por policiais no aeroporto de Haneda, em Tóquio, no domingo. | REUTERS

Na semana passada, ela postou um Instagram vídeo dizendo que ela foi adicionada à equipe de corrida de revezamento na quinta-feira em um curto espaço de tempo, depois que outros membros da equipe bielorrussa foram considerados incapazes de competir devido a uma polêmica em torno dos testes de doping.

“Fui afastada da equipe pelo fato de ter falado no meu Instagram sobre a negligência de nossos treinadores”, disse ela.

Em um curta vídeo Tsimanouskaya lançado no Telegram, ela pediu ao COI que a ajudasse a evitar ser enviada de volta ao seu país de origem.

“Estou pedindo ajuda ao Comitê Olímpico Internacional. Pressão foi colocada sobre mim e eles estão tentando me tirar do país sem meu consentimento, então estou pedindo o COI para intervir nisso ”, disse ela em bielo-russo.

Em entrevista à BBC, Tadeusz Giczan, um jornalista baseado em Londres do NEXTA, o maior canal de telegrama da Bielorrússia, disse: “Todos os atletas da seleção nacional que criticaram abertamente o regime ou as ações do regime já foram expulsos da seleção nacional”.

O BOC repreendeu as alegações de Tsimanouskaya e explicou sua decisão de encurtar a participação do velocista nas Olimpíadas, vinculando-a ao seu estado mental. O filho de Lukashenko, Viktor, é o presidente do BOC.

“A equipe técnica da equipe nacional de atletismo da Bielorrússia decidiu retirar Krystsina Tsimanouskaya dos Jogos Olímpicos, de acordo com o relatório do médico sobre seu estado mental e emocional”, disse o BOC em um comunicado.

Mas a atleta argumentou que as afirmações são falsas e que ela não consultou nenhum médico que pudesse avaliar sua condição.

A revelação atraiu o apoio da oposição bielorrussa e de países europeus, que expressaram preocupação sobre as violações dos direitos humanos na Bielorrússia.

Países como a França, Polônia e a República Checa ofereceram proteção a Tsimanouskaya e uma oportunidade para a atleta continuar sua carreira por lá.

Líder da oposição exilada Sviatlana Tsikhanouskaya, que dirige a Bielorrússia Democrática e tem sede na Lituânia, condenou as ações do regime e chamou a tentativa de mandar Tsimanouskaya para casa de “sequestro”.

“O sequestro do avião da Ryanair pelo regime foi apenas o início do terror internacional de Lukashenka. Eles sequestraram Pratasevich e Sapega, tentaram sequestrar a atleta bielorrussa Krystsina Tsymanouskaya ”, disse ela no Twitter, referindo-se a outras vítimas da repressão do governo e usando uma grafia alternativa do nome do presidente bielorrusso.

“Ela tem direito a proteção internacional e a continuar participando das @Olympics”, disse ela. “Também é crucial investigar as violações dos direitos dos atletas dos CONs da Bielo-Rússia.”

A Human Rights Watch do Japão também pediu às autoridades que tomem medidas para proteger o atleta.

“O governo japonês deve continuar a fazer tudo o que puder, incluindo coordenação com outros governos, para garantir que ela não seja forçada a voltar para a Bielo-Rússia e que sua família também esteja protegida da repressão governamental”, disse Teppei Kasai, oficial de programa da organização .

Informações da Reuters e Jiji adicionadas

Em uma época de desinformação e muita informação, jornalismo de qualidade é mais crucial do que nunca.
Ao se inscrever, você pode nos ajudar a contar a história da maneira certa.

INSCREVA-SE AGORA

GALERIA DE FOTOS (CLIQUE PARA AMPLIAR)

.

Artigos recentes

Japão expandirá unidade de força terrestre baseada em Okinawa em meio à ameaça da China

O Japão está considerando expandir uma unidade de força terrestre baseada em Okinawa para defender…

11 horas ago

OMS alerta que queda no estado de alerta do COVID-19 pode criar nova variante mortal

Lapsos nas estratégias para combater o COVID-19 este ano continuam criando as condições perfeitas para…

11 horas ago

Executivo do Twitter diz que está se movendo rapidamente com moderação, à medida que o conteúdo prejudicial aumenta

O Twitter de Elon Musk está se apoiando fortemente na automação para moderar o conteúdo,…

12 horas ago

A intensa cultura de greve da Coreia do Sul aumenta a pressão sobre o presidente Yoon Suk-yeol

O descontentamento dos trabalhadores está surgindo em toda a Coreia do Sul, ameaçando minar a…

12 horas ago

A conferência global enfatiza a necessidade de colocar as questões das mulheres no topo das agendas políticas

As perspectivas de gênero devem ser “integradas” no governo e na tomada de decisões empresariais…

13 horas ago

Pequim e Shenzhen afrouxam mais restrições ao COVID-19 enquanto a China ajusta a política

Xangai – Os residentes de Pequim comemoraram no sábado a remoção das cabines de teste…

13 horas ago

Este site usa cookies.