Categories: Notícias

Coréia do Norte quer flexibilização das sanções para retomar negociações com os EUA, diz Seul

A Coréia do Norte quer que as sanções internacionais proíbam suas exportações de metal e importações de combustível refinado e outras necessidades levantadas antes de reiniciar as negociações de desnuclearização com os Estados Unidos, disseram legisladores sul-coreanos na terça-feira.

O Norte também exigiu a flexibilização das sanções sobre suas importações de bens de luxo para poder trazer bebidas finas e processos, disseram os legisladores após serem informados por Park Jie-won, chefe do Serviço Nacional de Inteligência (NIS) da Coréia do Sul principal agência de inteligência.

O briefing veio uma semana depois que as duas Coreias restauraram as linhas diretas que a Coreia do Norte suspendeu há um ano, a primeira dica em meses de que a Coreia do Norte pode ser mais receptiva aos esforços de engajamento.

“Como pré-condição para reabrir as negociações, a Coréia do Norte argumenta que os Estados Unidos deveriam permitir as exportações de minerais e importações de petróleo refinado e necessidades básicas”, disse Ha Tae-keung, membro do comitê parlamentar de inteligência, a repórteres, citando Park.

“Eu perguntei quais necessidades eles mais querem, e eles disseram que licores e ternos de alta classe foram incluídos, não apenas para consumo próprio de Kim Jong Un, mas para distribuir para a elite de Pyongyang”, disse ele, referindo-se ao líder da Coréia do Norte.

A mídia estatal da Coréia do Norte não fez nenhuma menção na terça-feira a qualquer novo pedido de suspensão das sanções para reiniciar as negociações.

O Conselho de Segurança da ONU impôs uma ampla gama de sanções à Coréia do Norte por prosseguir com seus programas de mísseis nucleares e balísticos, desafiando as resoluções da ONU. A Coréia do Norte conduziu seis testes nucleares desde 2006 e testou mísseis capazes de atingir os Estados Unidos.

Os Estados Unidos, Japão e Coréia do Sul também impuseram suas próprias sanções à Coréia do Norte.

A Coreia do Norte não testou uma arma nuclear ou seus mísseis balísticos intercontinentais de maior alcance (ICBMs) desde 2017, antes de uma reunião histórica em Cingapura entre Kim Jong Un e o então presidente dos EUA Donald Trump em 2018.

Trump teve duas reuniões subsequentes com Kim, mas sem progresso em fazer o Norte desistir de seus programas nucleares e de mísseis em troca de sanções.

Kim Byung-kee, outro legislador sul-coreano, disse que a Coréia do Norte parece ter “nutrido descontentamento” com os Estados Unidos por não oferecer concessões para a moratória de testes nucleares e de ICBM.

“Os Estados Unidos deveriam ser capazes de trazê-los de volta ao diálogo reajustando algumas sanções”, disse Kim, citando Park.

Um alto funcionário do governo do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse em março que a Coréia do Norte não havia respondido à ação diplomática nos bastidores.

Depois de uma revisão da política da Coreia do Norte, o governo dos EUA disse que exploraria a diplomacia para atingir a meta de desnuclearização completa da Coreia do Norte, mas não buscaria um grande negócio com Kim.

Exercícios militares envolvendo forças norte-americanas e sul-coreanas, que a Coréia do Norte vê como preparativos para uma invasão, podem impedir qualquer passo positivo.

A irmã do líder norte-coreano, Kim Yo Jong, que assumiu um papel significativo no governo, alertou a Coreia do Sul no domingo que exercícios conjuntos com os Estados Unidos prejudicariam o degelo entre as duas Coreias.

O legislador sul-coreano Kim citou Park dizendo que a questão dos exercícios deve ser considerada: “Também é necessário considerar uma resposta flexível aos exercícios militares da Coreia do Sul-EUA”.

O legislador Ha disse que Kim Jong Un e o presidente sul-coreano Moon Jae-in expressaram a vontade de reconstruir a confiança e melhorar os laços desde abril e Kim pediu para reconectar as linhas diretas.

Os legisladores disseram que a Coréia do Norte precisava de cerca de 1 milhão de toneladas de arroz, mesmo depois de liberar as reservas economizadas em caso de guerra, já que sua economia foi atingida pelo coronavírus e pelo mau tempo no ano passado.

O banco central da Coreia do Sul disse na semana passada que a economia da Coreia do Norte sofreu sua maior contração em 23 anos em 2020.

“As reservas estão acabando e eles estão apostando em cerca de 400.000 toneladas de safras de verão, incluindo cevada e batata que acabaram de colher”, disse Kim Byung-kee.

Em uma época de desinformação e muita informação, jornalismo de qualidade é mais crucial do que nunca.
Ao se inscrever, você pode nos ajudar a contar a história da maneira certa.

INSCREVA-SE AGORA

GALERIA DE FOTOS (CLIQUE PARA AMPLIAR)

.

Artigos recentes

Último capítulo da série de filmes Agente Laranja desmascara a dor oculta do Vietnã

Desde que o marido americano da premiada diretora de documentários japoneses Masako Sakata morreu há…

34 minutos ago

Mizuho Securities do Japão analisa oportunidades de crescimento nos EUA

A Mizuho Securities, braço de corretagem do Mizuho Financial Group, “tem espaço para mais crescimento”…

56 minutos ago

Japão registra casos recorde de ambulâncias lutando para encontrar hospitais

O Japão registrou um número recorde de casos semanais de ambulâncias lutando para encontrar um…

1 hora ago

Guerra Net-zero e Rússia impulsionam economia de hidrogênio nascente

Birmingham, Inglaterra – Kevin Kendall estaciona no único posto de abastecimento de hidrogênio verde em…

4 horas ago

Shohei Ohtani não obtém resultado quando os Angels desmoronam contra os Mariners

Anaheim, Califórnia – Shohei Ohtani eliminou oito em seis entradas fortes, mas não levou em…

4 horas ago

Ex-capitão da Índia pede proteção dos formatos tradicionais de críquete

O ex-capitão da Índia Kapil Dev pediu ao órgão regulador do críquete, o Conselho Internacional…

4 horas ago

Este site usa cookies.