Categories: Notícias

Enviado de Mianmar alerta ONU sobre suposto ‘massacre’

O embaixador de Mianmar nas Nações Unidas, que se recusou a deixar seu posto apesar de ter sido demitido após o golpe de fevereiro, alertou o organismo mundial sobre um “suposto massacre” pela junta militar.

Kyaw Moe Tun enviou uma carta ao secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, na terça-feira, dizendo que 40 corpos foram encontrados no município de Kani em julho, na área de Sagaing, no noroeste de Mianmar.

A junta negou o massacre, enquanto a AFP não conseguiu verificar de forma independente os relatórios devido ao corte de redes móveis na região remota.

O representante escreveu que os soldados torturaram e mataram 16 homens em uma vila no município por volta de 9 e 10 de julho, após o que 10.000 residentes fugiram da área.

Ele disse que mais 13 corpos foram descobertos nos dias seguintes aos confrontos entre combatentes locais e forças de segurança em 26 de julho.

Kyaw Moe Tun acrescentou que outros 11 homens, incluindo um menino de 14 anos, foram mortos e incendiados em uma vila separada em 28 de julho.

Na carta, o embaixador reiterou seu apelo a um embargo global de armas à junta governante e a uma “intervenção humanitária urgente” da comunidade internacional.

“Não podemos permitir que os militares continuem cometendo esse tipo de atrocidade em Mianmar”, disse Kyaw Moe Tun em uma entrevista.

“É hora de a ONU, especialmente o Conselho de Segurança da ONU, agir.”

Mianmar está em crise desde que o exército depôs a liderança civil em 1º de fevereiro, lançando uma repressão contra a dissidência que matou mais de 900 pessoas, de acordo com um grupo de monitoramento local.

Kyaw Moe Tun rejeitou veementemente o golpe e rejeitou as alegações da junta militar de que ele não representa mais Mianmar. As Nações Unidas ainda o consideram o enviado de direito.

O representante foi demitido pela junta em fevereiro, um dia depois de fazer uma saudação com três dedos na Assembleia Geral da ONU, após um discurso apaixonado pedindo o retorno ao governo civil.

O gesto “Jogos Vorazes” foi amplamente utilizado por manifestantes pró-democracia.

Kyaw Moe Tun, que repetidamente pediu intervenção internacional para ajudar a acabar com os distúrbios em Mianmar, disse na quarta-feira que as autoridades dos EUA aumentaram sua segurança depois que uma aparente ameaça foi feita contra ele.

“Houve uma ameaça relatada contra mim”, disse ele.

“A polícia e as autoridades de segurança aqui em Nova York estão trabalhando nisso”, acrescentou, sem dar detalhes sobre a natureza da ameaça.

O chefe da junta militar de Mianmar disse no domingo que as eleições seriam realizadas e o estado de emergência levantado em agosto de 2023, estendendo o cronograma inicial de um ano dos militares anunciado dias após o golpe.

Em uma época de desinformação e muita informação, jornalismo de qualidade é mais crucial do que nunca.
Ao se inscrever, você pode nos ajudar a contar a história da maneira certa.

INSCREVA-SE AGORA

GALERIA DE FOTOS (CLIQUE PARA AMPLIAR)

.

Artigos recentes

Receita: Saquetini de caqui

Para os habitantes de Tóquio, novembro é quando o outono realmente começa. É quando experimentamos…

50 segundos ago

Presidente de Taiwan deixa o cargo de chefe do partido depois que a ameaça da China falha em ganhar votos

Taipé – A presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, renunciou ao cargo de chefe do Partido…

14 minutos ago

Tóquio reconhece direito de negociação coletiva dos trabalhadores do Uber Eats

As autoridades trabalhistas de Tóquio reconheceram a equipe de entrega do Uber Eats no Japão…

15 horas ago

JIP lança oferta pública da Toshiba até final de março

O fundo de investimento Japan Industrial Partners Inc. está considerando lançar uma oferta pública de…

15 horas ago

Grandes concessionárias do Japão enfrentarão quantidade recorde de multas antitruste

O órgão fiscalizador do comércio do Japão provavelmente imporá uma quantidade recorde de multas a…

16 horas ago

Filial do LDP liderada pelo ministro da reconstrução Kenya Akiba pagou taxas à Igreja da Unificação

Um ramo do Partido Liberal Democrático liderado pelo ministro da reconstrução, Kenya Akiba, pagou 24.000…

17 horas ago

Este site usa cookies.