Categories: Notícias

Embaixador polonês espera que caso de velocista bielorrusso desperte consciência sobre direitos humanos

A Embaixada da Polônia em Tóquio está localizada em um bairro tranquilo no bairro Meguro. Mas na segunda-feira, a atmosfera estava estranhamente tensa quando cerca de 80 repórteres, fotógrafos e membros da equipe de TV se aglomeraram à espera da velocista bielorrussa Krystsina Tsimanouskaya aparecer.

Por volta das 17h, a atleta olímpica de 24 anos, que escapou por pouco de ser enviada de volta para casa contra sua vontade pelo Comitê Olímpico de Beralus no domingo, foi escoltada à embaixada com a polícia ao seu lado. Ela temia que, se voltasse para a Bielo-Rússia, isso poderia significar o fim de sua carreira.

“Ela nos contatou na manhã de segunda-feira … e eu me encontrei com ela quando ela chegou e ajudei nos procedimentos para conceder a ela um visto humanitário”, disse o embaixador da Polônia no Japão, Pawel Milewski, em uma entrevista exclusiva ao The Japan Times na quinta-feira. “Ela estava preocupada com sua família, então demos a ela um roteador Wi-Fi seguro para entrar em contato com seus entes queridos.”

Nos dias que se seguiram à sua chegada, cerca de uma dúzia de policiais estavam em alerta, revezando-se para monitorar a área 24 horas por dia.

“Não descartamos a possibilidade de que possa haver algumas provocações do lado bielorrusso”, disse Milewski.

A Polônia, que foi o primeiro país a oferecer asilo a ela, emitiu o visto humanitário para Tsimanouskaya na segunda-feira. Dois dias depois, ela partiu do Japão para Varsóvia e se reuniu com seu marido lá. Ainda não está claro se o velocista permanecerá na Polônia ou buscará asilo em outro país.

Embaixador da Polônia no Japão, Pawel Milewski, com atleta beralusiana Kryscina Tsimanouskaya na segunda-feira na Embaixada da Polônia em Tóquio | CORTESIA DA EMBAIXADA POLONESA EM TÓQUIO

Relembrando o incidente, Milewski enfatizou que tanto a Polônia quanto o Japão fizeram de tudo para proteger a atleta, temendo que mandá-la para casa pudesse colocá-la em perigo.

“O fato de o Japão e as forças policiais terem se engajado tão ativamente (para garantir sua proteção) mostra que ambos os países compartilham um entendimento sobre as violações dos direitos humanos” e a situação dos oprimidos, Milewski disse sobre a intervenção imediata.

Embora reconhecendo o contexto muito diferente, Milewski comparou a cooperação Polônia-Japão sobre o incidente à entre o diplomata japonês Chiune Sugihara, que emitiu vistos para judeus poloneses e lituanos em Kaunas, Lituânia, durante a Segunda Guerra Mundial, e Tadeusz Romer, o primeiro embaixador polonês ao Japão, que também ajudou os judeus que fugiam da perseguição nazista e que estavam chegando ao Japão.

O incidente de Tsimanouskaya, que ocorreu durante as Olimpíadas de Tóquio, lançou luz sobre as crescentes preocupações sobre as violações dos direitos humanos na Bielo-Rússia.

Os diplomatas poloneses no Japão notaram sinais de tensão dentro da delegação bielorrussa desde o início dos Jogos.

Mas a mudança de última hora na programação da velocista e seu apelo por ajuda nas redes sociais provocaram a reação de Poland.

A velocista bielorrussa Krystsina Tsimanouskaya chega à embaixada polonesa em Tóquio na segunda-feira. | REUTERS

Tsimanouskaya, que estava no Japão para participar dos 100 metros e 200 metros femininos, criticou publicamente seus treinadores depois que lhe disseram para competir em uma corrida de revezamento de 4 × 400 metros para a qual ela não estava preparada.

Durante uma conversa de uma hora com Tsimanouskaya enquanto tomava um café, a atleta disse temer que sua participação no revezamento 400, que ela descreveu como uma encomenda de Minsk, pudesse ter causado uma lesão que encerrou sua carreira, disse Milewski.

“Não se podia descartar que Tsimanouskaya seria forçada a encerrar sua carreira ou até mesmo enfrentar uma pena de prisão por insubordinação se voltasse para a Bielo-Rússia”, disse Milewski.

Beralus tem vivido turbulências políticas desde a contestada reeleição do presidente beralense Alexander Lukashenko em agosto do ano passado, o que, de acordo com grupos de direitos humanos, incluindo a Human Rights Watch, levou a uma repressão mais flagrante das liberdades de expressão e críticas ao regime .

Lukashenko está no poder desde 1994.

Em meio às crescentes preocupações sobre seu regime repressivo, a Polônia tem apoiado ativamente seu vizinho, especialmente desde agosto do ano passado, e emitiu vistos humanitários para 150 mil pessoas da Bielo-Rússia que buscam asilo, disse Milewski.

“A Polônia é um dos países que apoiam mais ativamente os bielorrussos – não apenas aqueles que protestam contra o regime e suas ações, mas também aqueles que, por outras razões não políticas, foram forçados a fugir do país”, explicou Milewski.

A Polónia criticou veementemente as violações dos direitos humanos cometidas pelo seu vizinho e apelou ao fim das represálias e do uso da força contra os bielorrussos.

Um policial está em frente à embaixada polonesa em Tóquio na terça-feira. | REUTERS

Mesmo que ela tenha perdido por pouco as quartas de final em sua primeira corrida de 100 metros, Tsimanouskaya ainda tinha outra chance de subir ao pódio durante uma corrida de 200 metros marcada para segunda-feira. Mas sua participação foi interrompida quando sua equipe ordenou que ela fizesse as malas e voasse de volta para Beralus no dia anterior.

“As Olimpíadas devem ser uma celebração do esporte e da liberdade … e devem permitir que as pessoas tornem seus sonhos realidade”, disse Milewski.

“Espero que o caso (de Tsimanouskaya) não apenas chame a atenção no Japão para a situação na Bielo-Rússia e na Europa, mas também sublinhe a necessidade de cooperar no interesse daqueles que estão sofrendo devido ao (colapso) da democracia.”

Em uma época de desinformação e muita informação, jornalismo de qualidade é mais crucial do que nunca.
Ao se inscrever, você pode nos ajudar a contar a história da maneira certa.

INSCREVA-SE AGORA

GALERIA DE FOTOS (CLIQUE PARA AMPLIAR)

.

Artigos recentes

A noite sólida de Yu Darvish termina em derrota, com os Nationals vencendo os Padres

São Diego - Yu Darvish trabalhou 8⅓ entradas sólidas, mas sofreu uma derrota difícil na…

8 minutos ago

No Ocidente, a China é um rival. Mas para outros, diz um novo estudo, Pequim é um parceiro.

Do ponto de vista dos Estados Unidos e da maioria de seus aliados, a China…

1 hora ago

Prisão de ex-executivo das Olimpíadas de Tóquio preocupa Sapporo

sapporo – A prisão do ex-executivo do comitê organizador dos Jogos Olímpicos de Tóquio Haruyuki…

1 hora ago

Veredicto do mais alto tribunal da Coreia do Sul sobre trabalho de guerra para moldar laços Seul-Tóquio

Espera-se que a Suprema Corte sul-coreana decida em breve se deve ou não manter um…

1 hora ago

3.500 seguidores da Igreja da Unificação protestam em Seul contra relatos da mídia japonesa

SEUL – Cerca de 3.500 membros da Igreja da Unificação se reuniram em Seul na…

2 horas ago

Distrito de Tóquio descobre que 1 em cada 3 reclusos não quer ajuda do governo para se reintegrar

Uma pesquisa recente realizada no distrito de Edogawa, em Tóquio, mostrou que até um terço…

2 horas ago

Este site usa cookies.