Categories: Notícias

Outrora uma estrela sincrônica, o anfitrião Japão luta para manter o bronze na natação artística

O Japão, que já foi uma das principais nações do nado sincronizado que quase sempre garantiu um lugar no pódio olímpico, está este ano lutando para se manter no bronze por equipe que conquistou no Rio 2016, depois de já não conseguir manter o bronze do dueto.

A estrela em ascensão é a Ucrânia, que venceu o Japão por essa medalha na quarta-feira e terminou em terceiro lugar contra o quarto do Japão no evento técnico por equipes na sexta-feira – uma colocação que dói mais em uma Olimpíada realizada em casa. A seleção russa ficou em primeiro e a China em segundo.

Embora o Japão nunca tenha ganhado o ouro desde que o nado sincronizado se tornou um esporte olímpico em 1984, ele ganhou prata ou bronze, em dueto ou equipe, todos os anos, exceto em Londres 2012.

Naquele ano, foi totalmente fechado, um destino que pode aguardar o Japão este ano também, a menos que supere a Ucrânia no evento gratuito na noite de sábado.

“Para ser honesto, não conseguimos ganhar os pontos que pensávamos que havíamos conquistado”, disse Yukiko Inui, 30 anos e tricampeã olímpica, aos repórteres após o evento por equipes na sexta-feira.

É uma situação dolorosa para uma nação onde há cerca de 30 anos os nadadores sincronizados olímpicos eram nomes conhecidos e havia até um drama semanal na TV sobre uma equipe de nado sincronizado.

Hoje, parte do problema é simplesmente falta de experiência.

A equipe olímpica do Japão tem apenas um veterano dos Jogos, Inui, em comparação com seis da equipe russa – incluindo Svetlana Romashina, que esta semana se tornou a atleta olímpica mais condecorada no nado sincronizado – e cinco da China, que levou a medalha de prata.

O técnico japonês Masayo Imura disse na sexta-feira que a falta de competições globais recentes devido à pandemia também pode influenciar, com as seleções europeias – que participaram do campeonato europeu no início deste ano – tendo a chance de dar aos juízes impressões mais frescas.

O último campeonato mundial, onde o Japão terminou em quarto lugar, foi em 2019, e Iimura também se perguntou se a estética do esporte pode ter mudado desde então de uma forma que prejudica o Japão.

“Fico contando para a equipe que o tempo para nós parou em 2019 e temos que começar daí, desse quarto lugar”, disse Iimura, acrescentando que sente que a equipe tem progredido muito desde então.

“Se continuarmos com um bom desempenho, a direção do vento vai mudar. Temos que continuar fazendo o nosso melhor. ”

Em uma época de desinformação e muita informação, jornalismo de qualidade é mais crucial do que nunca.
Ao se inscrever, você pode nos ajudar a contar a história da maneira certa.

INSCREVA-SE AGORA

GALERIA DE FOTOS (CLIQUE PARA AMPLIAR)

.

Artigos recentes

No Ocidente, a China é um rival. Mas para outros, diz um novo estudo, Pequim é um parceiro.

Do ponto de vista dos Estados Unidos e da maioria de seus aliados, a China…

52 minutos ago

Prisão de ex-executivo das Olimpíadas de Tóquio preocupa Sapporo

sapporo – A prisão do ex-executivo do comitê organizador dos Jogos Olímpicos de Tóquio Haruyuki…

58 minutos ago

Veredicto do mais alto tribunal da Coreia do Sul sobre trabalho de guerra para moldar laços Seul-Tóquio

Espera-se que a Suprema Corte sul-coreana decida em breve se deve ou não manter um…

1 hora ago

3.500 seguidores da Igreja da Unificação protestam em Seul contra relatos da mídia japonesa

SEUL – Cerca de 3.500 membros da Igreja da Unificação se reuniram em Seul na…

1 hora ago

Distrito de Tóquio descobre que 1 em cada 3 reclusos não quer ajuda do governo para se reintegrar

Uma pesquisa recente realizada no distrito de Edogawa, em Tóquio, mostrou que até um terço…

2 horas ago

Ex-executivo das Olimpíadas de Tóquio recebeu pedido por escrito de Aoki

Haruyuki Takahashi, ex-executivo do comitê organizador das Olimpíadas de Tóquio, recebeu um pedido por escrito…

2 horas ago

Este site usa cookies.