Categories: Notícias

Nagasaki marca 76º aniversário do bombardeio atômico dos EUA

Nagasaki marcou na segunda-feira o 76º aniversário do bombardeio atômico dos EUA contra a cidade na Segunda Guerra Mundial, com seu prefeito definido para instar o governo japonês a ter um papel mais ativo na realização de um mundo livre de armas nucleares.

Na cerimônia anual em memória, o prefeito Tomihisa Taue deve exortar o governo a assinar e ratificar um tratado da ONU que proíbe as armas nucleares e se juntar como observador em sua primeira reunião dos Estados Partes do tratado, que entrou em vigor em janeiro.

O aniversário do ataque de 1945 à cidade no sudoeste do Japão chega enquanto a dependência da dissuasão nuclear continua a crescer.

O primeiro-ministro Yoshihide Suga também fará um discurso durante a cerimônia no Parque da Paz da cidade, enquanto Izumi Nakamitsu, subsecretário-geral da ONU e alto representante para assuntos de desarmamento, deve ler uma mensagem em nome do secretário-geral da ONU, Antonio Guterres.

Embora o governo japonês tenha repetidamente prometido liderar a comunidade internacional em direção à abolição das armas nucleares, ele se recusou a participar do tratado de proibição nuclear, junto com os países com armas nucleares do mundo.

O pacto, que atualmente tem 86 países signatários, marca a primeira proibição abrangente de armas nucleares.

O Japão manteve seus três princípios de não produzir, possuir ou permitir armas nucleares em seu território. Mas o país está sob o guarda-chuva nuclear dos EUA e hospeda suas instalações militares sob um acordo de segurança bilateral que já dura décadas.

A cerimônia reduzirá mais uma vez o número de participantes para cerca de 500 convidados, cerca de um décimo do número nos últimos anos, para evitar a superlotação em meio a um ressurgimento nacional de casos de coronavírus.

Representantes de cerca de 65 países, incluindo todas as cinco potências nucleares reconhecidas – Grã-Bretanha, China, França, Rússia e Estados Unidos – devem comparecer.

Uma bomba atômica com núcleo de plutônio, codinome “Fat Man”, explodiu sobre Nagasaki às 11h02 em 9 de agosto de 1945, três dias depois que os Estados Unidos lançaram a primeira dessas armas do mundo a ser implantada em Hiroshima.

Estima-se que 74.000 pessoas morreram no bombardeio em Nagasaki até o final daquele ano, de acordo com a cidade.

O número combinado de vítimas sobreviventes dos dois bombardeios atômicos, conhecidos no Japão como hibakusha, era de 127.755 em março, uma queda de cerca de 8.900 em relação ao ano anterior, informou o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar, acrescentando que sua idade média era 83,94.

Em uma época de desinformação e muita informação, jornalismo de qualidade é mais crucial do que nunca.
Ao se inscrever, você pode nos ajudar a contar a história da maneira certa.

INSCREVA-SE AGORA

GALERIA DE FOTOS (CLIQUE PARA AMPLIAR)

.

Artigos recentes

Tóquio reconhece direito de negociação coletiva dos trabalhadores do Uber Eats

As autoridades trabalhistas de Tóquio reconheceram a equipe de entrega do Uber Eats no Japão…

14 horas ago

JIP lança oferta pública da Toshiba até final de março

O fundo de investimento Japan Industrial Partners Inc. está considerando lançar uma oferta pública de…

14 horas ago

Grandes concessionárias do Japão enfrentarão quantidade recorde de multas antitruste

O órgão fiscalizador do comércio do Japão provavelmente imporá uma quantidade recorde de multas a…

16 horas ago

Filial do LDP liderada pelo ministro da reconstrução Kenya Akiba pagou taxas à Igreja da Unificação

Um ramo do Partido Liberal Democrático liderado pelo ministro da reconstrução, Kenya Akiba, pagou 24.000…

16 horas ago

Xi diz a Kim que China está disposta a trabalhar com a Coreia do Norte pela ‘paz mundial’

Seul – O presidente chinês, Xi Jinping, disse ao líder norte-coreano, Kim Jong Un, que…

16 horas ago

Incêndio mortal em Xinjiang desperta raiva na política ‘COVID-zero’ da China

Pequim – Um incêndio mortal na região de Xinjiang, no noroeste da China, provocou uma…

16 horas ago

Este site usa cookies.