Categories: Notícias

Tóquio temia que os Jogos pudessem espalhar o COVID-19, mas os números sugerem que isso não aconteceu

Antes do início das Olimpíadas, o Japão temia que os Jogos de 2020, com milhares de funcionários, mídia e atletas chegando a Tóquio no meio de uma pandemia, pudessem espalhar o COVID-19, introduzir novas variantes e sobrecarregar o sistema médico.

Mas, à medida que os Jogos se aproximam do fim, os números da infecção de dentro da “bolha” olímpica – um conjunto de locais, hotéis e centro de mídia aos quais aqueles que vêm para os Jogos estão em sua maioria confinados – contam uma história diferente.

Apresentando mais de 50.000 pessoas, o que provavelmente foi o maior experimento global desse tipo desde o início da pandemia, parece ter funcionado amplamente, dizem os organizadores e alguns cientistas, com apenas uma parte dos envolvidos infectados.

“Antes das Olimpíadas, eu pensava que as pessoas viriam para o Japão com muitas variantes e Tóquio seria um caldeirão de vírus e alguma nova variante surgiria em Tóquio”, disse Kei Sato, pesquisador sênior da Universidade de Tóquio.

“Mas não havia chance de os vírus sofrerem mutação”.

A principal razão para o baixo número de infecções foi uma taxa de vacinação de mais de 70% entre os atletas olímpicos, organizadores e mídia, exames diários, distanciamento social e uma barreira para espectadores nacionais e internacionais, afirmam os organizadores.

Um homem usando máscara protetora passa por uma placa das Olimpíadas de Tóquio na capital no domingo, último dia dos Jogos. | REUTERS

Brian McCloskey, o principal consultor sobre a “bolha” dos organizadores olímpicos, disse que não apontaria nenhuma medida específica que funcionasse melhor.

“Vem como um pacote, é o pacote que funciona de forma mais eficaz e acho que ainda será a mensagem após esses Jogos e ainda é a mensagem independentemente das vacinas”, disse McCloskey em entrevista coletiva no sábado.

Os organizadores registraram 404 infecções relacionadas aos Jogos desde 1º de julho. Eles realizaram cerca de 600.000 testes de triagem com uma taxa de infecção de 0,02%.

A situação dentro da “bolha” estava em nítido contraste com o exterior, com um aumento nas infecções alimentadas pela variante delta atingindo recordes diários e pela primeira vez cruzando 5.000 na cidade-sede, ameaçando sobrecarregar os hospitais de Tóquio.

Na bolha, os repórteres, durante sua quarentena de duas semanas, tiveram que relatar sua temperatura e condição diariamente e baixar um aplicativo de rastreamento de contatos. Eles foram proibidos de usar o transporte público e as máscaras no centro de mídia foram obrigatórias o tempo todo.

Não houve nenhum caso sério de COVID-19 na vila olímpica, disse McCloskey, onde mais de 10.000 atletas ficaram durante os Jogos, às vezes dois por quarto.

Enquanto McCloskey disse que mais pesquisas precisam ser feitas, ele disse que no momento a “crença” dos especialistas é que as infecções entre os visitantes estrangeiros na bolha foram trazidas para o país, ao invés de ocorrer localmente.

Uma mulher usando máscara protetora passa por uma decoração iluminada que mostra o revezamento do atletismo durante as Olimpíadas de Tóquio na capital, na quinta-feira. | REUTERS

McCloskey repetiu o primeiro-ministro Yoshihide Suga ao dizer que não acha que os Jogos contribuíram para o aumento das infecções em Tóquio.

Ele disse que “quanto mais próximo alguém estava dos atletas e da interface entre a comunidade internacional e a comunidade japonesa doméstica, mais eles eram testados”.

“E é essa proteção do vínculo entre essa interface, entre o internacional e o doméstico, que nos dá a confiança para dizer que não houve diferença entre os dois”, disse McCloskey.

Alguns especialistas, como Koji Wada, professor de saúde pública da Universidade Internacional de Saúde e Bem-Estar de Tóquio, disseram que é muito cedo para tirar conclusões sobre o impacto direto dos Jogos na disseminação do vírus na cidade.

Mas Wada e outros disseram que os Jogos prejudicaram as mensagens públicas, com as autoridades pedindo às pessoas que fiquem em casa para evitar o contato com outras, enquanto os atletas gritam, se abraçam e dão tapinhas nas costas uns dos outros durante as competições.

Os dados de saúde coletados durante as duas semanas dos Jogos, inclusive dentro da vila dos atletas, seriam analisados ​​e publicados para que os países pudessem usá-los para ajudar a planejar suas respostas ao coronavírus, disse McCloskey.

Um grupo de manifestantes anti-Olimpíadas usando máscaras protetoras seguram cartazes em frente a uma delegacia de polícia durante um comício contra os Jogos de Tóquio na capital em 1º de agosto. REUTERS

Em uma época de desinformação e muita informação, jornalismo de qualidade é mais crucial do que nunca.
Ao se inscrever, você pode nos ajudar a contar a história da maneira certa.

INSCREVA-SE AGORA

GALERIA DE FOTOS (CLIQUE PARA AMPLIAR)

.

Artigos recentes

Último capítulo da série de filmes Agente Laranja desmascara a dor oculta do Vietnã

Desde que o marido americano da premiada diretora de documentários japoneses Masako Sakata morreu há…

34 minutos ago

Mizuho Securities do Japão analisa oportunidades de crescimento nos EUA

A Mizuho Securities, braço de corretagem do Mizuho Financial Group, “tem espaço para mais crescimento”…

55 minutos ago

Japão registra casos recorde de ambulâncias lutando para encontrar hospitais

O Japão registrou um número recorde de casos semanais de ambulâncias lutando para encontrar um…

1 hora ago

Guerra Net-zero e Rússia impulsionam economia de hidrogênio nascente

Birmingham, Inglaterra – Kevin Kendall estaciona no único posto de abastecimento de hidrogênio verde em…

4 horas ago

Shohei Ohtani não obtém resultado quando os Angels desmoronam contra os Mariners

Anaheim, Califórnia – Shohei Ohtani eliminou oito em seis entradas fortes, mas não levou em…

4 horas ago

Ex-capitão da Índia pede proteção dos formatos tradicionais de críquete

O ex-capitão da Índia Kapil Dev pediu ao órgão regulador do críquete, o Conselho Internacional…

4 horas ago

Este site usa cookies.