Categories: Notícias

A Coreia do Sul marca 30 anos desde o primeiro testemunho público de uma ex-‘mulher consoladora’

A Coreia do Sul marcou no sábado o 30º aniversário do dia em que a primeira mulher sul-coreana falou publicamente sobre suas experiências como uma “mulher de conforto” durante a Segunda Guerra Mundial, em homenagem aos que sofreram sob o sistema de bordel militar do Japão durante a guerra.

A cerimônia do Dia do Memorial das Vítimas do Conforto Militar Japonês, patrocinada pelo governo, foi realizada online devido à pandemia do coronavírus, com o presidente Moon Jae-in entregando uma mensagem de vídeo.

O dia do memorial foi estabelecido em dezembro de 2017 pelo governo da Lua.

Depois que Kim Hak-soon detalhou suas experiências de guerra publicamente em 14 de agosto de 1991, outras ex-mulheres consoladoras na Coréia do Sul e em outros lugares apresentaram suas histórias. Kim morreu em 1997 aos 74 anos.

A questão das mulheres de conforto continua sendo uma fonte de tensão entre a Coreia do Sul e o Japão, que governou a Península Coreana de 1910 até a derrota na Segunda Guerra Mundial em 1945.

Mas com o passar do tempo, muitas ex-mulheres consoladoras morreram. Hoje, apenas 14 das mulheres reconhecidas pelo governo sul-coreano como ex-mulheres consoladoras ainda estão vivas.

Em 2015, o Japão e a Coreia do Sul concordaram em “definitiva e irreversivelmente” resolver a questão das mulheres de conforto, com o Japão oferecendo um pedido de desculpas às ex-mulheres de conforto por seu sofrimento e fornecendo 1 bilhão de ienes (US $ 9,1 milhões) a uma fundação encarregada de ajudá-las financeiramente.

Pagamentos em dinheiro foram feitos para muitas das mulheres que eram elegíveis, mas a fundação foi dissolvida em 2019 depois que algumas mulheres que eram contra o acordo bilateral pediram sua dissolução.

Algumas mulheres consoladoras e suas famílias enlutadas buscaram uma via legal para obter compensação do governo japonês. Em janeiro, o Tribunal Distrital Central de Seul ordenou que o governo japonês pagasse indenização por danos a 12 demandantes.

Com a decisão finalizada, mas o governo japonês permanecendo sem envolvimento no caso com base na imunidade soberana, os demandantes estão explorando a apreensão de ativos do governo japonês na Coreia do Sul.

Moon disse após a decisão que se sentiu “um pouco perplexo” com ela e expressou disposição para explorar soluções que sejam aceitáveis ​​para os demandantes com base no acordo bilateral de 2015 e manter conversações com o governo japonês para esse fim.

Desde então, o governo sul-coreano criou um órgão consultivo que também envolve representantes dos demandantes e um grupo de apoio para ex-mulheres consoladoras.

Em uma época de desinformação e muita informação, jornalismo de qualidade é mais crucial do que nunca.
Ao se inscrever, você pode nos ajudar a contar a história da maneira certa.

INSCREVA-SE AGORA

GALERIA DE FOTOS (CLIQUE PARA AMPLIAR)

.

Artigos recentes

Samurai Blue é recebido como herói no retorno da Copa do Mundo no Catar

Narita, Chiba Pref. – A seleção nacional de futebol do Japão voltou para casa na…

4 horas ago

Governo alerta agricultores sobre aumento acentuado de casos de gripe aviária

Os casos de gripe aviária no Japão estão aumentando em um ritmo mais rápido do…

4 horas ago

Alemanha prende 25 suspeitos de conspiração de extrema-direita para derrubar Estado

Berlim – Autoridades alemãs detiveram na quarta-feira 25 membros e simpatizantes de um grupo de…

6 horas ago

Vice-chefe da Assembleia em Tokushima é preso por vazamento de informações policiais

Osaka – A polícia prendeu o vice-presidente de uma assembléia municipal na província de Tokushima…

6 horas ago

Rastreador COVID-19: Tóquio registra 14.946 novos casos de coronavírus

Tóquio confirmou 14.946 novos casos de COVID-19 na quarta-feira, um aumento de 547 em relação…

6 horas ago

Giants apostam em oferta de US$ 360 milhões por Aaron Judge

O San Francisco Giants fez uma enorme oferta de US$ 360 milhões a Aaron Judge,…

7 horas ago

Este site usa cookies.