Categories: Notícias

A rápida aquisição do Taleban deixa a imagem dos EUA em frangalhos

Depois de duas décadas no Afeganistão, a guerra mais longa da América estava terminando com a imagem dos Estados Unidos em frangalhos.

Com o rápido colapso do governo em Cabul no domingo, o 20º aniversário dos ataques de 11 de setembro que desencadearam a invasão dos EUA será marcado com o Talibã de volta ao controle do Afeganistão, apesar de um custo de quase 2.500 vidas para os Estados Unidos e mais de US $ 2 trilhões.

Para alguns observadores, o desastre que se seguiu à retirada das tropas dos EUA inevitavelmente enfraquecerá os Estados Unidos no cenário global em um momento em que o presidente Joe Biden falava em reunir democracias em face de uma China em ascensão.

“A credibilidade da América como aliada está diminuída por causa da forma como o governo afegão foi abandonado a partir das negociações de Doha”, disse Husain Haqqani, ex-embaixador do Paquistão nos Estados Unidos, referindo-se ao acordo no ano passado na capital do Catar com o Taleban em que os Estados Unidos definiram um cronograma de retirada.

Haqqani, agora um membro sênior do Instituto Hudson, observou como os diplomatas americanos no final pouco puderam fazer mais do que enviar tweets pedindo ao Taleban que parasse.

“Que os enviados da nação mais poderosa da Terra possam ser enganados como o foram em Doha, e seus líderes ignorados tão facilmente como o foram nos últimos dias, vai encorajar outros a se envolverem em uma diplomacia dúbia”, disse Haqqani.

Biden enfrentou críticas acaloradas de que a retirada foi mal administrada, com os Estados Unidos correndo para evacuar sua extensa embaixada apenas um mês depois de minimizar os temores de que o governo afegão desmoronaria rapidamente.

O presidente dos EUA, Joe Biden, fala na Sala Leste da Casa Branca em Washington na quinta-feira. Depois de sete meses em que o governo Biden parecia exalar uma competência muito necessária, tudo sobre os últimos dias da América no Afeganistão destruiu essa imagem. | STEFANI REYNOLDS / THE NEW YORK TIMES

“Isso terá ramificações não apenas para o Afeganistão”, disse a deputada Liz Cheney, uma falcão republicana.

“Os adversários da América sabem que podem nos ameaçar, e nossos aliados estão questionando esta manhã se podem contar conosco para alguma coisa”, disse ela em uma entrevista à ABC.

Mensagem mista para a China

O governo Biden é rápido em apontar que o ex-presidente Donald Trump negociou o acordo de Doha sobre a retirada e que a maioria do público dos EUA é favorável ao fim de “guerras eternas”.

Trump colocou repetidamente a culpa em seu sucessor, no entanto, pedindo que ele renunciasse no domingo “em desgraça pelo que ele permitiu que acontecesse ao Afeganistão”.

“O que Joe Biden fez com o Afeganistão é lendário. Será uma das maiores derrotas da história americana! ” ele disse em uma declaração de domingo anterior.

O secretário de Estado, Antony Blinken, também falando na ABC, disse que os Estados Unidos “tiveram sucesso” em sua missão principal de levar justiça aos perpetradores da Al Qaeda nos ataques de 11 de setembro.

“Também é verdade que não há nada que nossos concorrentes estratégicos em todo o mundo gostariam mais do que nos ver atolados no Afeganistão por mais cinco, 10 ou 20 anos. Isso não é do interesse nacional ”, disse Blinken.

A China, que o governo Biden vê como o desafio preeminente da nação, já se lançou retoricamente, com o jornal nacionalista Global Times publicando uma análise dizendo que o Afeganistão mostrou que Washington é um “parceiro não confiável que sempre abandona seus parceiros ou aliados para buscar interesse próprio. ”

Mas Richard Fontaine, presidente-executivo do Center for a New American Security, disse que é simplista pensar que a China seria encorajada, por exemplo, a avançar em Taiwan, uma democracia autogovernada reivindicada por Pequim que depende das armas dos EUA.

Em vez disso, a China pode ver o alto custo que os Estados Unidos estão dispostos a pagar para sair do Afeganistão como um sinal de seriedade na mudança para o Pacífico, disse Fontaine.

Mas Fontaine, que se opôs à retirada, disse que os Estados Unidos estão assumindo grandes riscos ao ceder o Afeganistão ao Talibã, que nunca rompeu formalmente com a Al Qaeda.

Manifestantes protestam contra a retirada dos militares americanos do Afeganistão quando o Taleban se mudou para Cabul, na Casa Branca em Washington, no domingo. | TOM BRENNER / THE NEW YORK TIMES

“Agora que parece que o Taleban comandará o país, acho que as chances de uma ameaça terrorista são muito altas”, disse ele.

“Se for esse o caso, pode muito bem aumentar a distração de nosso foco nos desafios estratégicos maiores na China.”

Nova era militar?

Alguns formuladores de políticas argumentaram pela manutenção de uma força residual de cerca de 2.500 soldados no Afeganistão, mas Biden decidiu que a guerra havia acabado e ele não deveria arriscar mais vidas americanas.

Trita Parsi, vice-presidente executiva do Quincy Institute for Responsible Statecraft, que apóia a contenção militar dos EUA, disse que aqueles que agora perderam a credibilidade são defensores de uma guerra contínua.

“Quando você vê que tudo desmorona em nove dias, isso não passa de um castelo de cartas”, disse Parsi.

Ele esperava que a retirada ajudasse a acabar com a visão, em Washington, mas também entre os aliados, de que os militares dos EUA deveriam ser o primeiro recurso.

“Talvez algumas das pressões externas sobre os Estados Unidos para agirem como se fosse a resposta para tudo no mundo diminuirão.”

Em uma época de desinformação e muita informação, jornalismo de qualidade é mais crucial do que nunca.
Ao se inscrever, você pode nos ajudar a contar a história da maneira certa.

INSCREVA-SE AGORA

GALERIA DE FOTOS (CLIQUE PARA AMPLIAR)

.

Artigos recentes

Miniveículo elétrico da Nissan e da Mitsubishi nomeado Carro do Ano no Japão

Um miniveículo elétrico desenvolvido em conjunto pela Nissan e pela Mitsubishi Motors ganhou o prêmio…

6 minutos ago

Yankees fecham contrato de US$ 360 milhões com Aaron Judge

O rebatedor superstar Aaron Judge concordou com um contrato recorde de nove anos da Major…

23 minutos ago

Outfielder do Cubs, Seiya Suzuki, jogará pelo Japão no WBC

O outfielder do Chicago Cubs, Seiya Suzuki, anunciou na quinta-feira sua intenção de jogar pela…

29 minutos ago

Treinador olímpico de Brittney Griner pede compaixão quando estrela da WNBA é libertada

A técnica olímpica de Brittney Griner, Dawn Staley, pediu compaixão quando a oito vezes All-Star…

34 minutos ago

A linguagem do ccc-cold!: Você pode dizer mais do que apenas ‘samui desu’

Quanto mais tempo passo no Japão, mais aprecio a virada das estações. Cada 季節 (Kisetsuestação…

1 hora ago

Vietnã muda de rumo no comércio de armas ao afrouxar laços com a Rússia

Hanói – O Vietnã está de olho em uma grande mudança de defesa enquanto busca…

4 horas ago

Este site usa cookies.