Categories: Notícias

O Talibã agora precisa encontrar amigos

Os dias e noites que se seguiram à captura de Cabul pelo Taleban e ao colapso do governo afegão foram notavelmente calmos.

A maioria das lojas e negócios está fechada. Afegãos comuns estão escondidos em suas casas. O Taleban está atuando como uma força policial, protegendo a cidade de saqueadores. E ainda, neste momento de relativa quietude, os afegãos estão enfrentando uma realização monumental: eles agora vivem em um país completamente novo.

Ao defender sua decisão de retirar todas as tropas americanas do Afeganistão, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, reconheceu que os eventos se desenrolaram “mais rapidamente” do que as autoridades americanas haviam previsto. De acordo com Biden, isso ocorre porque os líderes políticos do Afeganistão, incluindo o presidente Ashraf Ghani, “desistiram e fugiram do país” e “os militares afegãos entraram em colapso, às vezes sem tentar lutar”. O ministro da defesa em exercício do Afeganistão, general Bismillah Khan Mohammadi, defendeu os militares, tweetando: “Eles amarraram nossas mãos por trás e venderam o país. Amaldiçoe Ghani e sua gangue. ”

O que quer que tenha acontecido nos corredores do poder de Cabul na semana passada, agora é o Taleban que os ocupa. Mas quem é o Taleban, que o país mais poderoso do mundo gastou mais de US $ 2 trilhões tentando derrotar, e o que seu retorno ao poder significará para os afegãos e seus vizinhos?

O Taleban não é uma força unificada, mas sim uma coleção heterogênea de grupos com interesses conflitantes. Existem diferenças significativas entre a ala política “civilizada” representada pelo cargo político em Doha, o clero influente e os numerosos senhores da guerra no local. As perspectivas dos afegãos dependem crucialmente de quais elementos do Taleban se revelam dominantes. É por isso que é essencial identificar e apoiar os líderes talibãs mais moderados.

Aqui, pode haver boas notícias. As últimas informações sugerem que o cofundador e chefe político do Taleban, Mullah Abdul Ghani Baradar, se tornará o novo líder do Afeganistão. Ele se posicionou como um líder pragmático, experiente e atencioso, capaz de unir grupos influentes do Taleban ao seu redor e negociar de forma eficaz com atores internacionais. Em 17 de agosto, Baradar chegou ao Afeganistão.

Além disso, os líderes do Taleban também se comprometeram a criar um “governo islâmico inclusivo”. De acordo com Suhail Shaheen, um porta-voz do Taleban, tal governo incluiria afegãos não talibãs, incluindo algumas “figuras conhecidas”. Uma dessas figuras poderia ser o ex-presidente afegão Hamid Karzai, que formou um conselho de coordenação para administrar uma transferência pacífica de poder. Esse conselho – que agora está em Doha para se reunir com a liderança do Taleban – também inclui Abdullah Abdullah, presidente do Conselho Superior de Reconciliação Nacional do Afeganistão e ex-primeiro-ministro Gulbuddin Hekmatyar.

Ironicamente, esse tipo de “inclusão” excluiria muitos dos segmentos mais radicais do Taleban, aumentando o risco de que os extremistas busquem parcerias com grupos terroristas como a Al Qaeda ou o Estado Islâmico. Mas o risco maior surgiria dos esforços para transformar o Afeganistão em um estado monoétnico (pashtun), com base na mentalidade do vencedor leva tudo. Isso quase certamente reacenderia a guerra civil.

Além de construir um governo inclusivo, o Taleban precisará fortalecer seu exército e sua força policial e estabelecer relações diplomáticas com o resto do mundo. Entre os amigos mais rápidos do grupo estão provavelmente a Rússia e a China. Zamir Kabulov, enviado presidencial russo ao Afeganistão, diz que o Kremlin mantém boas relações com o Taleban, por isso a Rússia não está preocupada com o que está acontecendo no país. Em um telefonema recente, o ministro das Relações Exteriores chinês Wang Yi disse a seu homólogo russo, Sergey Lavrov, que eles deveriam “proteger os interesses legítimos” de seus respectivos países no Afeganistão, “informar sobre a situação e apoiar uns aos outros”.

O Taleban também pode encontrar parceiros dispostos nos vizinhos da Ásia Central do Afeganistão. Os líderes das comunidades étnicas uzbeques e tadjiques do Afeganistão – os senhores da guerra Abdul Rashid Dostum e Atta Mohammad Noor – fugiram do país após a queda de Mazar-i-Sharif, que eles vinham defendendo. Muitos comentaristas viram isso como uma rejeição ao Taleban. Mas acredito que isso reflete uma falta de vontade de continuar lutando e esperar que os dois retornem ao Afeganistão em breve.

De forma mais ampla, os países da Ásia Central parecem cautelosamente otimistas sobre o potencial de cooperação com um Afeganistão liderado pelo Taleban. Afinal, Baradar prometeu não “permitir o surgimento de uma ameaça e perigo do Afeganistão” aos países da Ásia Central e deu as boas-vindas ao plano iniciado pelo uzbeque para construir a ferrovia “Corredor de Cabul” de Termez no Uzbequistão a Peshawar no Paquistão via Mazar -i-Sharif e Kabul.

De fato, com a saída dos Estados Unidos, a visão de uma “Grande Ásia Central” com comércio mais aberto e melhor infraestrutura entre os países da região poderia gradualmente se tornar uma realidade.

O futuro do Afeganistão também será moldado pela política dos EUA e de seus aliados. A derrota humilhante e o recuo caótico da América minaram seriamente sua posição internacional. A questão agora é quanta responsabilidade, se houver, os EUA assumirão para garantir o bem-estar do povo afegão, dado o papel de liderança que desempenhou na destruição de seu país.

Por enquanto, o governo Biden diz que está esperando que o Taleban demonstre seu compromisso em governar de forma inclusiva e prevenir o terrorismo. Mas os EUA e seus aliados devem fazer mais para ajudar os afegãos comuns. Dada a falta de confiança das pessoas nos parceiros ocidentais, é improvável que as iniciativas independentes lideradas pelo Ocidente funcionem. Os vizinhos do Afeganistão e a Rússia devem estar envolvidos.

O primeiro passo seria convocar uma conferência internacional especial sobre o Afeganistão envolvendo todas as partes interessadas, tendo China e Rússia como atores centrais. Os países doadores devem estar unidos sob os auspícios do Conselho de Segurança das Nações Unidas e, com o envolvimento do sistema das Nações Unidas e dos bancos multilaterais de desenvolvimento, devem criar um fundo especial para ajudar na reconstrução do Afeganistão.

No nível diplomático, goste ou não, a Rússia, com sua profunda influência na Ásia Central, detém a chave para reconstruir o Afeganistão. Se o Ocidente abraçar esse processo, talvez suas relações com a Rússia também possam melhorar.

Djoomart Otorbaev é ex-primeiro-ministro do Quirguistão. © Project Syndicate, 2021

Em uma época de desinformação e muita informação, jornalismo de qualidade é mais crucial do que nunca.
Ao se inscrever, você pode nos ajudar a contar a história da maneira certa.

INSCREVA-SE AGORA

GALERIA DE FOTOS (CLIQUE PARA AMPLIAR)

.

Artigos recentes

Samurai Blue é recebido como herói no retorno da Copa do Mundo no Catar

Narita, Chiba Pref. – A seleção nacional de futebol do Japão voltou para casa na…

4 horas ago

Governo alerta agricultores sobre aumento acentuado de casos de gripe aviária

Os casos de gripe aviária no Japão estão aumentando em um ritmo mais rápido do…

4 horas ago

Alemanha prende 25 suspeitos de conspiração de extrema-direita para derrubar Estado

Berlim – Autoridades alemãs detiveram na quarta-feira 25 membros e simpatizantes de um grupo de…

6 horas ago

Vice-chefe da Assembleia em Tokushima é preso por vazamento de informações policiais

Osaka – A polícia prendeu o vice-presidente de uma assembléia municipal na província de Tokushima…

6 horas ago

Rastreador COVID-19: Tóquio registra 14.946 novos casos de coronavírus

Tóquio confirmou 14.946 novos casos de COVID-19 na quarta-feira, um aumento de 547 em relação…

7 horas ago

Giants apostam em oferta de US$ 360 milhões por Aaron Judge

O San Francisco Giants fez uma enorme oferta de US$ 360 milhões a Aaron Judge,…

7 horas ago

Este site usa cookies.