Categories: Notícias

Paraolímpicos dizem que os Jogos de Tóquio de 1964 mudaram a percepção da deficiência

As primeiras Paraolimpíadas de Tóquio, em 1964, ajudaram a mudar as perspectivas da sociedade sobre as pessoas com deficiência no Japão, levando a uma mudança de paradigma da pena para o empoderamento, de acordo com dois paraatletas que participaram dos primeiros Jogos de Verão da Ásia.

Hideo Kondo, que competiu com arco e flecha e basquete em cadeira de rodas entre outros esportes em 1964, disse que o evento foi uma experiência de mudança de vida. Ele foi exposto ao abismo entre o que significava ser um para-atleta japonês na época e como os atletas estrangeiros se viam e eram vistos pelos outros.

O japonês de 86 anos, que sofreu uma lesão na medula espinhal no trabalho quando tinha 16, foi convidado a participar dos Jogos quando estava se reabilitando em uma instalação no resort termal de Beppu, na província de Oita.

Hideo Kondo competiu em seis eventos, incluindo arco e flecha e basquete em cadeira de rodas nas Paraolimpíadas de 1964. | KYODO

Kondo disse que, naquela época, as pessoas com deficiência no Japão eram tratadas como objetos de pena. Isso estava em total contraste com os competidores estrangeiros, cujas realizações esportivas eram enfatizadas e que não eram vistas como desamparadas e dependentes.

“Os modelos esportivos mudaram as atitudes da sociedade em relação à deficiência”, disse Kondo.

Como paraolímpico, Kondo se beneficiou de uma vila de atletas projetada para acomodar pessoas em cadeiras de rodas ou outro equipamento especializado. Com isso, ele viu a habitação acessível como um caminho para uma vida independente para pessoas com deficiência.

“Compartilhar essa experiência é minha missão”, pensou.

Após os Jogos Paraolímpicos de Tóquio, Kondo mudou do setor privado para um emprego no governo local, onde se envolveu em serviços e suporte específicos para deficientes e na criação de infraestrutura sem barreiras por mais de 40 anos.

Katsumi Suzaki competiu em seis modalidades em quatro esportes, incluindo atletismo e natação nas Paraolimpíadas de 1964. O senhor de 79 anos chama os Jogos de “o ponto de partida da minha vida”.

Katsumi Suzaki (ao centro) participa de um evento de basquete masculino em cadeira de rodas durante as Paraolimpíadas de Tóquio em novembro de 1964. | CORTESIA DA JAPAN SUN INDUSTRIES / VIA KYODO

Suzaki disse que perdeu a esperança de um futuro quando machucou a medula espinhal em um acidente de motocicleta quando tinha 20 anos, numa época em que pessoas com deficiência no Japão muitas vezes eram afastadas de empregos remunerados.

Mas quando ele participou dos Jogos e viu como os paraolímpicos de todo o mundo levavam uma vida “normal”, ele se sentiu motivado a procurar trabalho.

Ele conseguiu um emprego em uma fábrica de próteses e fez um esforço consciente para banir os conceitos errôneos de que pessoas com deficiência não são tão produtivas quanto funcionários sem deficiência e dissipar os mitos que cercam os trabalhadores com deficiência.

Quando os tempos ficaram difíceis, a vontade de se juntar ao grupo de para-atletas de elite com carreiras de sucesso o impulsionou a seguir em frente, permitindo-lhe permanecer comprometido até os 72 anos.

“As Paraolimpíadas são onde a flor da minha vida floresceu”, disse Suzaki.

O movimento paraolímpico passou por muitas mudanças desde a última vez em que Tóquio sediou os Jogos Paraolímpicos em 1964.

Hideo Kondo (à direita), que representou o Japão nas Paraolimpíadas de 1964, conversa com competidores italianos na vila dos atletas em 1964. | KYODO

Hoje, os direitos das pessoas com deficiência, acessibilidade e inclusão estão na vanguarda de muitas discussões no contexto esportivo.

O Comitê Organizador de Tóquio 2020 formulou diretrizes de acessibilidade para os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos. As diretrizes se aplicam a rampas, escadas, superfícies de solo, balcões de recepção, entradas e saídas, portas, elevadores e escadas rolantes.

Os elementos de design universal e acessibilidade podem ser as formas mais tangíveis pelas quais os jogos sem espectador causam impacto. Kondo e Suzaki acreditam que o impacto e o legado das Paraolimpíadas podem se espalhar muito além da arena esportiva e mudar o Japão para sempre.

“Espero que essas Paraolimpíadas estimulem melhorias na acessibilidade não apenas para tornar a sociedade melhor para as pessoas com deficiência, mas para todas as pessoas”, disse Kondo.

Suzaki deseja ver “as pessoas com deficiência se integrando totalmente à sociedade tradicional” e está dando o exemplo por fazer parte de um time de bocha de jogadores com e sem deficiência.

Em uma época de desinformação e muita informação, jornalismo de qualidade é mais crucial do que nunca.
Ao se inscrever, você pode nos ajudar a contar a história da maneira certa.

INSCREVA-SE AGORA

GALERIA DE FOTOS (CLIQUE PARA AMPLIAR)

.

Artigos recentes

Tóquio reconhece direito de negociação coletiva dos trabalhadores do Uber Eats

As autoridades trabalhistas de Tóquio reconheceram a equipe de entrega do Uber Eats no Japão…

13 horas ago

JIP lança oferta pública da Toshiba até final de março

O fundo de investimento Japan Industrial Partners Inc. está considerando lançar uma oferta pública de…

13 horas ago

Grandes concessionárias do Japão enfrentarão quantidade recorde de multas antitruste

O órgão fiscalizador do comércio do Japão provavelmente imporá uma quantidade recorde de multas a…

15 horas ago

Filial do LDP liderada pelo ministro da reconstrução Kenya Akiba pagou taxas à Igreja da Unificação

Um ramo do Partido Liberal Democrático liderado pelo ministro da reconstrução, Kenya Akiba, pagou 24.000…

15 horas ago

Xi diz a Kim que China está disposta a trabalhar com a Coreia do Norte pela ‘paz mundial’

Seul – O presidente chinês, Xi Jinping, disse ao líder norte-coreano, Kim Jong Un, que…

15 horas ago

Incêndio mortal em Xinjiang desperta raiva na política ‘COVID-zero’ da China

Pequim – Um incêndio mortal na região de Xinjiang, no noroeste da China, provocou uma…

15 horas ago

Este site usa cookies.