Categories: Notícias

A mudança climática tornou as inundações mortais na Alemanha mais prováveis, relatam cientistas

As fortes chuvas e inundações que mataram pelo menos 220 pessoas na Bélgica e na Alemanha neste verão se tornaram mais prováveis ​​e intensas pelas mudanças climáticas.

Essa é a conclusão de um rápido relatório de atribuição, elaborado em pouco mais de um mês, por um grupo de 39 cientistas que colaboram no âmbito da iniciativa World Weather Attribution (WWA). As mudanças climáticas tornaram as enchentes entre 1,2 e nove vezes mais prováveis ​​de ocorrer, enquanto aumentaram a intensidade do evento entre 3% e 19%.

“A possibilidade indicada por esses intervalos é que essas coisas estão se tornando mais frequentes”, disse Maarten van Aalst, diretor do Centro Climático Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho e professor da Universidade de Twente, na Holanda. “Não sabemos o quão rápido e não sabemos em que lado da faixa estamos, mas é uma possibilidade que agora precisamos levar em consideração.”

As conclusões do relatório estão de acordo com a sexta avaliação do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) das Nações Unidas, que foi divulgado no início deste mês e concluiu com grande confiança que precipitações extremas e inundações aumentarão na Europa Ocidental e Central se tanto de aquecimento desde os tempos pré-industriais chega a 2 graus Celsius.

Embora a atribuição de eventos climáticos específicos às mudanças climáticas esteja se tornando mais rápida, ainda é difícil e, em alguns aspectos, limitada.

No início deste ano, uma análise da WWA concluiu que a onda de calor que atingiu a América do Norte em junho foi pelo menos 150 vezes mais provável devido às mudanças climáticas.

Como as enchentes alemãs foram a primeira vez que esses métodos de atribuição rápidos foram aplicados a uma enchente de verão, os cientistas encontraram desafios ao conduzir a análise.

“As ondas de calor estão muito mais diretamente conectadas aos aumentos nas temperaturas médias globais”, disse Sarah Kew, cientista do clima do Instituto Real de Meteorologia da Holanda, a jornalistas na segunda-feira. “Com a precipitação, há mais fatores dinâmicos que entram em jogo e há mais variabilidade em escala local.”

Os cientistas se concentraram nas fortes chuvas que caíram de 12 a 15 de julho em algumas das áreas mais afetadas pelas enchentes, como os rios Ahr e Erft na Alemanha e Meuse, na Bélgica. O estudo usou diferentes modelos para simular a probabilidade e intensidade do evento. Ele não analisou os dados de enchentes em parte porque algumas estações de medição ao longo dos rios nessas regiões foram destruídas pelas chuvas.

As chuvas quebraram recordes históricos nessas regiões por grandes margens. Em questão de horas, rios relativamente pequenos carregavam quantidades de água equivalentes às do Reno, o maior rio da Alemanha. Pode-se esperar que tal evento aconteça uma vez a cada 400 anos na Europa Ocidental, concluíram os cientistas.

“Não estamos seguros e podemos esperar que isso aconteça novamente, mas não estamos dizendo que é provável que aconteça novamente no próximo ano”, disse Van Aalst. “Ainda é um evento raro, mas um evento raro para o qual devemos estar preparados.”

Em julho, um sistema de baixa pressão se aproximou lentamente da França em direção à Alemanha e ficou preso por um longo período de tempo – dias em vez de horas – na Alemanha, Bélgica e Holanda. Ao mesmo tempo, massas de ar quentes e muito úmidas atingiram a região do Mediterrâneo, alimentando a atmosfera com ainda mais água.

Quando a chuva caiu, caiu sobre o solo que já estava encharcado após três semanas de precipitação recorrente. O solo saturado dificilmente poderia absorver qualquer água adicional, levando a inundações devastadoras.

“Achamos que nossa experiência do passado nos ajudaria a nos preparar para o pior cenário que poderíamos ter no futuro”, disse Van Aalst. “Isso não é mais o caso” quando se trata de condições meteorológicas extremas, explicou ele. “Precisamos planejar racionalmente – em vez de esperar até – que a experiência nos ensine, porque então muitas vezes é tarde demais.”

Em uma época de desinformação e muita informação, jornalismo de qualidade é mais crucial do que nunca.
Ao se inscrever, você pode nos ajudar a contar a história da maneira certa.

INSCREVA-SE AGORA

GALERIA DE FOTOS (CLIQUE PARA AMPLIAR)

.

Artigos recentes

Tóquio reconhece direito de negociação coletiva dos trabalhadores do Uber Eats

As autoridades trabalhistas de Tóquio reconheceram a equipe de entrega do Uber Eats no Japão…

14 horas ago

JIP lança oferta pública da Toshiba até final de março

O fundo de investimento Japan Industrial Partners Inc. está considerando lançar uma oferta pública de…

14 horas ago

Grandes concessionárias do Japão enfrentarão quantidade recorde de multas antitruste

O órgão fiscalizador do comércio do Japão provavelmente imporá uma quantidade recorde de multas a…

16 horas ago

Filial do LDP liderada pelo ministro da reconstrução Kenya Akiba pagou taxas à Igreja da Unificação

Um ramo do Partido Liberal Democrático liderado pelo ministro da reconstrução, Kenya Akiba, pagou 24.000…

16 horas ago

Xi diz a Kim que China está disposta a trabalhar com a Coreia do Norte pela ‘paz mundial’

Seul – O presidente chinês, Xi Jinping, disse ao líder norte-coreano, Kim Jong Un, que…

16 horas ago

Incêndio mortal em Xinjiang desperta raiva na política ‘COVID-zero’ da China

Pequim – Um incêndio mortal na região de Xinjiang, no noroeste da China, provocou uma…

16 horas ago

Este site usa cookies.