Categories: Notícias

Biden resiste à pressão de prazo do Afeganistão, mas busca alternativas

O presidente Joe Biden resistiu na terça-feira à pressão crescente para manter as tropas americanas no Afeganistão após o prazo de 31 de agosto, mas ordenou que sua equipe de segurança nacional apresentasse planos de contingência se ele determinar que um adiamento é necessário.

“A conclusão até 31 de agosto depende da continuidade da cooperação do Taleban, permitindo o acesso ao aeroporto para aqueles que estamos transportando e sem interrupção de nossas operações”, disse Biden em um discurso da Casa Branca. “Solicitei ao Pentágono e ao Departamento de Estado planos de contingência para ajustar o cronograma, caso seja necessário.”

O presidente vem sofrendo duras críticas de legisladores que dizem que seu governo deixará para trás cidadãos americanos e aliados afegãos que ajudaram as forças dos EUA nos últimos 20 anos, se a missão de evacuação militar não for prorrogada. Biden prometeu que seu governo explicaria na quarta-feira quantos americanos permanecem no Afeganistão.

O líder da minoria no Senado, Mitch McConnell, disse na terça-feira que Biden deveria “esquecer o dia 31 de agosto” e enviar tropas para além do perímetro do aeroporto de Cabul para garantir que mais pessoas sejam evacuadas.

Os democratas também questionaram a decisão de Biden. O deputado Adam Smith, do estado de Washington, presidente do Comitê de Serviços Armados da Câmara, disse que “seria uma má prática” não ter um plano de contingência se a evacuação devesse continuar após 31 de agosto. A deputada Elissa Slotkin, de Michigan, citou “forte apoio bipartidário” para prorrogar o prazo.

Mas Biden disse que os riscos para as tropas americanas estão crescendo. Ele e altos funcionários da Casa Branca expressaram confiança de que os EUA poderiam evacuar um número substancial – mas não especificado – de americanos e aliados afegãos do país nos próximos dias. Até agora, disse ele, cerca de 71.000 pessoas foram evacuadas desde 14 de agosto.

“Cada dia que estamos no solo é mais um dia em que sabemos que o ISIS-K está tentando atingir o aeroporto e atacar as forças americanas e aliadas e civis inocentes”, disse Biden, citando a ramificação local do Estado Islâmico.

O presidente Joe Biden dá uma declaração sobre a retirada dos EUA do Afeganistão na Casa Branca na terça-feira. | REUTERS

Depois de dias em que as autoridades americanas se recusaram repetidamente a dizer quantos americanos foram evacuados e quantos podem permanecer no Afeganistão – presos em Cabul ou mais longe – Biden disse que o secretário de Estado Antony Blinken fornecerá um “relatório detalhado” na quarta-feira.

Biden conversou com os aliados do Grupo dos Sete no início do dia e citou áreas de acordo, incluindo a necessidade de o Talibã proteger os direitos das mulheres, mas estender o prazo final de agosto também era uma meta importante para líderes em países como o Reino Unido e França.

A reunião do G7, convocada pelo primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, pode ter sido a última chance de pressionar Biden a adiar a data de retirada dos EUA. Se o prazo se mantiver, isso significa efetivamente que as evacuações de civis no aeroporto de Cabul devem terminar nos próximos dias para permitir tempo suficiente para retirar os EUA e outras tropas restantes.

No início do dia, um porta-voz do Taleban disse em uma entrevista coletiva que “o aeroporto está fechado e os afegãos não têm permissão para ir até lá agora. Apenas estrangeiros podem ir. ” Serviu apenas para sublinhar os obstáculos no terreno, com um novo regime a cargo.

O grau de discórdia ficou aparente na declaração final do G-7, que tinha pouco em termos de medidas concretas, mas advertia que “julgaremos as partes afegãs por suas ações, não por palavras”.

“Em particular, reafirmamos que o Taleban será responsabilizado por suas ações na prevenção do terrorismo, nos direitos humanos – em particular das mulheres, meninas e minorias – e na busca de um acordo político inclusivo no Afeganistão.”

O destino de estrangeiros e afegãos cujas ligações com potências externas os deixam vulneráveis ​​às represálias do Taleban dominou a preparação para a reunião. Johnson e o presidente francês Emmanuel Macron estavam entre os que deveriam instar Biden a mudar sua posição – embora o governo britânico também tenha alertado que isso era improvável devido à deterioração da situação de segurança em Cabul.

Johnson disse que o G7 concordou na terça-feira com um roteiro sobre como lidar com o Taleban, e que a “condição número um em que insistimos é a passagem segura” após 31 de agosto para aqueles que desejam deixar o Afeganistão.

Em uma época de desinformação e muita informação, jornalismo de qualidade é mais crucial do que nunca.
Ao se inscrever, você pode nos ajudar a contar a história da maneira certa.

INSCREVA-SE AGORA

GALERIA DE FOTOS (CLIQUE PARA AMPLIAR)

.

Artigos recentes

Samurai Blue é recebido como herói no retorno da Copa do Mundo no Catar

Narita, Chiba Pref. – A seleção nacional de futebol do Japão voltou para casa na…

4 horas ago

Governo alerta agricultores sobre aumento acentuado de casos de gripe aviária

Os casos de gripe aviária no Japão estão aumentando em um ritmo mais rápido do…

5 horas ago

Alemanha prende 25 suspeitos de conspiração de extrema-direita para derrubar Estado

Berlim – Autoridades alemãs detiveram na quarta-feira 25 membros e simpatizantes de um grupo de…

6 horas ago

Vice-chefe da Assembleia em Tokushima é preso por vazamento de informações policiais

Osaka – A polícia prendeu o vice-presidente de uma assembléia municipal na província de Tokushima…

6 horas ago

Rastreador COVID-19: Tóquio registra 14.946 novos casos de coronavírus

Tóquio confirmou 14.946 novos casos de COVID-19 na quarta-feira, um aumento de 547 em relação…

7 horas ago

Giants apostam em oferta de US$ 360 milhões por Aaron Judge

O San Francisco Giants fez uma enorme oferta de US$ 360 milhões a Aaron Judge,…

7 horas ago

Este site usa cookies.