Categories: Notícias

Para salvar o clima da Terra, mapeie os oceanos

Há trinta anos, tive o privilégio de ver de perto o fundo do oceano. Para meu Ph.D. pesquisa, eu caí 1,5 milhas no submersível Alvin acima do East Pacific Rise, a sudoeste de Acapulco.

Além de iluminar o processo oceanográfico que eu estava estudando – a conexão entre placas tectônicas, erupções vulcânicas e aberturas no fundo do mar – aquele poço do oceano abriu meus olhos para uma verdade maior: os humanos são em grande parte cegos para esta parte enorme e animada do mundo – mais de dois terços da Terra.

Vale a pena repetir que os cientistas sabem mais sobre Marte, Vênus e o lado escuro da lua do que sobre as profundezas dos oceanos da Terra. Até o momento, menos de 20% do fundo do oceano foi mapeado – 13% apenas nos últimos quatro anos. Mas, com o apoio certo, os cientistas poderiam mapear tudo até 2030. É uma tarefa essencial, mas exigirá esforço dedicado, apoio público e financiamento governamental. Tal projeto só pode ser realizado por meio de cooperação global.

A recompensa é tremenda – para tudo, desde navegação em navios até modelagem climática. Uma visão clara da topografia do fundo do oceano permitiria a localização ideal de cabos submarinos e turbinas eólicas offshore. Isso mostraria onde a pesca em alto mar pode ser feita com segurança e onde não pode. Com uma compreensão tridimensional do volume do oceano, os meteorologistas poderiam entender melhor como tufões e tsunamis viajam e se intensificam à medida que cruzam o oceano, trazendo ondas de tempestade para a costa, e os cientistas climáticos poderiam medir com mais precisão a circulação de calor no oceano e, assim, construir melhores modelos de mudança climática.

A mudança climática é a razão mais básica e urgente para mapear o oceano o mais rápido possível. Oceanos saudáveis ​​desempenham um papel desproporcional na minimização das mudanças climáticas, porque capturam as emissões de carbono. Mas essa capacidade tem limites. O excesso de carbono acidifica as águas oceânicas, dificultando a vida dos recifes de coral e crustáceos (ostras, mexilhões, caracóis, mariscos).

Também reduz o teor de oxigênio da água, prejudicando a capacidade de respiração de todos os seres marinhos. As práticas humanas que perturbam o fundo do oceano – principalmente a pesca de arrasto – pioram as coisas ao liberar carbono do fundo do oceano. A mineração em águas profundas, se permitida a prosseguir sem gerenciamento, teria um efeito semelhante e perturbaria ainda mais os ecossistemas submarinos.

Para medir o progresso da mudança climática e estudar os processos oceânicos e as atividades humanas que afetam esse progresso, é essencial montar um quadro detalhado do mundo submarino.

Os cientistas têm a tecnologia para fazer o trabalho. Os sonares de hoje são sensíveis o suficiente para mapear características da água do oceano acima do fundo do mar, incluindo a ação das ondas, cardumes de peixes e mudanças nos recifes de coral que podem indicar os níveis de oxigênio marinho. A tecnologia do sistema de informações geográficas que eu e outros usamos podemos analisar dados de uma série de fontes – incluindo sonar, satélites, embarcações submersas e câmeras subaquáticas – para reunir uma imagem tridimensional do mundo subaquático e estudar a melhor forma de gerenciar e proteger isto.

A iniciativa Seabed 2030, um esforço sancionado pelas Nações Unidas e apoiado pela Nippon Foundation para mapear o fundo do oceano, coletou dados batimétricos (profundidade) de governos e outros proprietários de dados. Sensores carregados a bordo de navios de cruzeiro transoceânicos e navios de carga coletaram mais dados. E robôs foram contratados para pesquisar o fundo do oceano, da mesma forma que robôs têm sido usados ​​para mapear a superfície de Marte e de outros planetas.

Para terminar o trabalho no tempo devido, no entanto, a iniciativa exigirá um compromisso prolongado e mais financiamento. Parceiros do setor privado estão contribuindo, incluindo Vulcan, uma empresa filantrópica fundada pelo falecido Paul Allen da Microsoft, e o Schmidt Ocean Institute, lançado por Wendy Schmidt e Eric Schmidt do Google. Mas a quantidade de trabalho pela frente requer o tipo de financiamento que apenas os governos podem fornecer.

Larry Mayer, diretor do Centro de Mapeamento Costeiro e Oceânico da Universidade de New Hampshire, calculou que serão necessários US $ 3 bilhões a US $ 5 bilhões para concluir este trabalho. É um preço alto, mas compare-o com os gastos com viagens e exploração espaciais – a NASA está gastando quase US $ 3 bilhões no Perseverence Mars rover – e o valor do dólar é óbvio. Todas as grandes potências científicas marítimas do mundo – incluindo os EUA, Reino Unido, França, Alemanha e China – devem contribuir.

A mudança climática, tão vividamente ilustrada por este verão de incêndios e inundações em terra e documentada pelo novo relatório do IPCC, aumentou muito a urgência de ver todo o oceano em detalhes. O trabalho pode ser feito até o final desta década, se os países aceitarem o desafio.

Dawn Wright é a cientista-chefe de Esri, professora de geografia e oceanografia na Oregon State University e membro da National Academy of Sciences.

Em uma época de desinformação e muita informação, jornalismo de qualidade é mais crucial do que nunca.
Ao se inscrever, você pode nos ajudar a contar a história da maneira certa.

INSCREVA-SE AGORA

GALERIA DE FOTOS (CLIQUE PARA AMPLIAR)

.

Artigos recentes

Irã suspende polícia moral que provocou protestos em massa

As operações da “polícia da moralidade” do Irã foram efetivamente suspensas após meses de protestos…

9 horas ago

Mais de 330 membros da assembléia da província tinham laços com a Igreja da Unificação

Pelo menos 334 dos 2.570 membros da assembléia da província no Japão tiveram negócios com…

9 horas ago

Japão cauteloso sobre imposto sobre ganhos de capital, deve manter o aumento da defesa

O Japão deve evitar apressar o aumento do imposto sobre ganhos de capital, pois isso…

10 horas ago

Taxa de prevalência de anticorpos COVID-19 em 26,5% no Japão

A proporção de pessoas no Japão com anticorpos criados após a infecção por COVID-19 chegou…

11 horas ago

O técnico do Socceroos, Graham Arnold, pede mais financiamento e instalações

Doha – O técnico Graham Arnold fez um apelo apaixonado ao governo australiano por dinheiro…

12 horas ago

Grande varejista de moda on-line Zozo abrirá sua primeira loja física

A varejista de moda on-line japonesa Zozo abrirá sua primeira loja física em Tóquio em…

12 horas ago

Este site usa cookies.